shutterstock_116283007

Por que pagar mais pela gestão de benefícios?

Por Celso Campello Neto

Empresas que adicionam valor, normalmente devem focar seus esforços, tempo e recursos em seus objetivos principais, o que a gestão de negócios moderna chama de “core business”.

Porém, sabemos que muitas outras atividades operacionais permeiam a rotina e acabam por exaurir as condições dos executivos em viabilizar maiores controles financeiros e indicadores de performance e serviços.

Neste sentido, para alguns fatores importantes de custos não se garante o devido foco e atuação, sendo que em muitas vezes, se determina um segundo plano de atenção.

A gestão terceirizada de benefícios aos trabalhadores, neste sentido pode ser uma solução adaptada ao mercado de Recursos Humanos, trazendo alternativas em termos de performance operacional, capilaridade de atuação, independência e  principalmente redução de custos.

A gestão personalizada das necessidades de benefícios garante a organização e otimização das necessidades dos funcionários, bem como automação dos processos de aquisição, distribuição e atendimento de Vales-Transporte, Refeição e Alimentação.

Pensando nos impactos positivos no fluxo de caixa, bem como no foco em seus negócios principais, reduções significativas de até 30% nos gastos com benefícios de uma maneira geral, são obtidos por aquelas empresas que resolvem atentar para esta questão. Deste modo, seguem algumas dicas para que o gestor de RH não desperdice seu tempo e seu orçamento, tão escassos nos dias de hoje:

  • Pesquise valores referenciais dos benefícios conforme regiões;
  • Atenda as leis trabalhistas;
  • Adeque os recursos internos para a gestão e não para a operação dos benefícios;
  • Realize ou contrate um projeto de terceirização, entendendo os modelos de cobrança, taxas e regras de atuação dos distribuidores.
  • Coordene um diagnóstico das reais necessidades dos trabalhadores em termos dos vales;
  • Contrate um distribuidor que garanta escala em termos de quantidades de vales adquirida;
  • Vise um relacionamento mais duradouro com níveis de serviços claros e pactuados em contrato com este distribuidor;
  • Certifique-se da automação de processos internos de Recursos Humanos, bem como da integração dos sistemas de folhas de pagamento;
  • Opte pela roteirização de itinerários, horários e linhas de transporte público;
  • Exija a personalização do atendimento e prazos de atendimento condizentes;
  • Busque fornecedores que garantam a maior cobertura e capilaridade possível;
  • Controle a gestão de ocorrências, segundas vias e reposições de créditos.

A redução de custos só será possível com o diagnóstico de necessidades, com a otimização de fluxos internos, ganhos de escala e automação junto ao distribuidor de benefícios, práticas possíveis e amplamente realizadas nas empresas que visam a competitividade e adequação de valor ao mercado.

_______________

2014-07-23-14.12.54Celso Campello Neto é professor da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), especialista em Gestão de Projetos e Inteligência de Mercado e diretor-executivo da Benefício Certo, empresa brasileira de gestão de benefícios aos trabalhadores.

Deixe um comentario

Hey, então você decidiu deixar um comentário! Isso é ótimo. Basta preencher os campos necessários e clique em enviar. Note que o seu comentário terá de ser revisto antes da sua publicação - medida para evitar spam.