Férias: entenda mais sobre esse direito trabalhista

Share on whatsapp
WhatsApp
Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on skype
Skype
Share on twitter
Twitter
Share on email
Email

Todo trabalhador tem direito a férias. O período de descanso é necessário para dar uma pausa na rotina do trabalho e se desconectar das obrigações profissionais. 

Essa interrupção é importante para o bem-estar físico e mental do colaborador. Deste modo, as férias não são um benefício corporativo concedido ao profissional, mas, sim, um direito trabalhista previsto na CLT, como consta no artigo 129: “Todo empregado terá direito anualmente ao gozo de um período de férias, sem prejuízo de remuneração”. 

Fracionamento das férias 

As férias não precisam ser tiradas obrigatoriamente por 30 dias corridos. O empregador e empregado podem combinar o que é melhor apara ambos, podendo ser fracionadas em até três períodos, entretanto, um período deve ter pelo menos 14 dias e os outros não podem ser menos que cinco dias. 

Cabe aos envolvidos analisarem as possibilidades de férias dentro das regras. 

Férias remuneradas 

O pagamento das férias deve ser feito pela empresa por pelo menos dois dias antes do início do período, independente se são férias corridas ou fracionadas. 

A propósito, a data de início das férias, não pode ser dois dias antes que antecedem os feriados ou dias de folga, como sábado e domingo. 

Período aquisitivo e concessivo 

Existem dois períodos importantes que antecedem as férias. O período aquisitivo equivale aos 12 meses de trabalho que os colaboradores precisam ter antes de ter o direito de tirar as férias.

 Já o período concessivo é referente aos 12 meses após o aquisitivo, em quem o empregador deve decidir quando irá dar férias ao colaborador, no entanto não pode passar desse prazo. Sendo assim, se o funcionário completou um ano em novembro de 2019, a empresa deve conceder as férias até novembro de 2020, do contrário cabe ao funcionário tomar medidas legais contra a companhia. 

Abono pecuniário 

Mais conhecido como venda das férias, o abono pecuniário é um acordo da empresa e empregado sobre a conversão de 1/3 das férias. Por exemplo, o funcionário irá tirar 30 dias de férias, mas ele deseja vender uma parte delas, desse modo, de acordo com a CLT, a empresa pode abonar 10 dias, enquanto ele deve descansar 20 dias. 

O abono pecuniário também é permitido nas férias fracionadas, sendo assim, o empregado irá vender 1/3 equivalente a quantidade de dias que irá descansar. 

Cálculo de férias

O cálculo das férias é feito da seguinte forma: salário + 1/3 da remuneração. 

Por exemplo: o funcionário ganha R$3.000,00, 1/3 desse valor é R$1.000,00.  Deste modo, ele irá receber R$3.000,00 + R$1.000,00 = R$4.000,00. 

Descontos de imposto de renda e INSS devem ser feito em cima do cálculo feito nas férias, contudo, esses valores ficam maiores, por causa da soma de um 1/3 do salário. 

Aviso de férias 

A CLT determina que o colaborador seja avisado sobre as férias 30 dias antes da data inicial. É feito um documento para formalizar e ele deve ser assinado pelo funcionário. 

O empregado também deve entregar a carteira de trabalho para que a empresa possa registrar o período de descanso, do contrário, o colaborador não poderá gozar das férias. 

Gostou do artigo? Nosso blog sempre irá contar com artigos sobre as obrigações e deveres da CLT. Continue acompanhando para ler mais a respeito. 

Lorem ipsum dr?

Vamos tomar um café e conversar mais, que tal?

LEIA TAMbém

Share on whatsapp
Share on linkedin
Share on facebook
Share on skype
Share on twitter
Share on email